Astrojildo Pereira – Viva a juventude. Viva o PCdoB

Astrojildo Pereira surgiu no meio do público no auditório lotado do Teatro Popular de Niterói. Todos ficamos perplexos com a ousadia. Ele morrera em  21 de novembro de 1965. O que estava fazendo ali? Será que foi conhecer a magnifica obra de Oscar Niemeyer, que oferece a Niterói um dos mais belos teatros do Brasil, com espetacular visão sobre a Baia de Guanabara? Não. Ele ressuscitava para chamar a atenção dos brasileiros que a Revolução Russa está completando 100 anos e que o Marco Zero da Revolução Brasileira começava a ser estabelecido ali, naquele local privilegiado numa data das mais simbólicas: comemorações dos 95 anos do Partido Comunista do Brasil, fundado em Niterói em 25 de março de 1922.

Foi um espetáculo teatral, musical, artístico, cultural, político, como há muito tempo não se vivia. Reuniu as mais altas expressões do PCdoB e lançou explicitamente a urgente necessidade de uma grande aliança para valer, das forças de esquerda para enfrentarmos o golpe que estuprou a nossa jovem Democracia. Não vou citar nomes pois foram tantas as intervenções de rara sensibilidade e clareza sobre os perigos imensos que estamos sofrendo desde que a senha golpista, (“Vamos sangrá-la todos os dias”), foi lançada e continua sangrando, torturando sem piedade o povo brasileiro.

O que ficou de mais contundente nas comemorações foi a certeza de que vai haver muita luta e de que existe uma feliz mobilização que vem desde os mais jovens estudantes, passa pelos guerreiros mais audaciosos, pelas guerreiras mais antenadas e energiza os mais idosos ainda cheios de esperanças. Viva a Juventude. Viva o PCdoB.  

Noilton Nunes

Cineasta – Documentarista