Resenha de “Anos que vivemos em perigo: a crise brasileira”, por Durval Noronha Goyos Jr.

Contei ontem com a grata presença de amigos e amigas no lançamento do livro  “Anos que vivemos em perigo: a crise brasileira”. Marcou-me muito, em especial, a de Durval Noronha Goyos Jr – que me brindou com uma resenha do livro – e de Ricardo Ramos Filho, presidente e vice-presidente da União Brasileira de Escritores.

Resenha de “Anos que vivemos em perigo: a crise brasileira”, de Walter Sorrentino.

Por Durval de Noronha Goyos Junior

Walter Sorrentino é um pensador extraordinário com sólida formação humanística e que, embora médico de formação, optou por servir ao Brasil através do engajamento político e de ações para o bem da cidadania. Ele é vice-presidente do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), entidade à qual está afiliado desde a época da faculdade, cursada na Universidade de São Paulo (USP), na cidade de Ribeirão Preto, e membro do Conselho Consultivo da União de Escritores Brasileiros – UBE.

Seu livro, “Anos que vivemos em perigo: a crise brasileira”, lançado na cidade de São Paulo no dia 30 de março de 2017, é um lúcido e denso registro histórico dos desdobramentos políticos que levaram ao golpe parlamentar e judiciário  a destituir a presidente eleita da República, Dilma Roussef, bem como das respectivas inspirações espúrias. A obra tem uma excelente apresentação do escritor e jornalista Aldo Rebelo, quem observa com muita propriedade que “o governo Dilma caiu pela ação corrosiva antinacionalista e antidemocrática dos grupos conservadores, mas também por incapacidade de reunir amplas forças políticas e sociais para neutralizar a ofensiva conservadora”.

Walter Sorrentino analisa, em ordem decrescente de data, de 2016 para 2015, os efeitos do governo ilegítimo, impopular e desprovido de mandato público de Michel Temer, para concluir de forma inexorável que “a soberania do voto popular é o caminho para o desfecho da crise brasileira”. Tal conclusão não é fundada apenas no amor pela observância do Estado de Direito e do regime constitucional brasileiro, muito caro à Nação. O Autor examina, para além dos aspectos legais, as consequências da imposição de uma ilegítima nova ordem sócio econômica ao País. Estas nefastas ameaças encontram-se muito bem elencadas num Anexo à obra, que é de leitura obrigatória para todos aqueles que se interessam pelo nosso futuro.

Ao clamar pela unidade na resistência à cruel agenda que destrói as conquistas legais, sociais e econômicas do povo brasileiro, Walter Sorrentino  observa que a luta será dura, complexa e de longa duração, tendo sentido estratégico ao se voltar “contra forças poderosas externas e internas do neoliberalismo e imperialismo”. Ele reitera ao longo da obra que a crise brasileira exige uma solução democrática. O Autor enfatiza ainda que o Brasil necessita de um novo projeto nacional de desenvolvimento econômico e social que assegure sua soberania, democracia e política exterior independente.

A importante obra de Walter Sorrentino está fadada a se tornar um livro de referência obrigatória para a compreensão da situação brasileira atual bem como para a busca de sendas seguras para os interesses da Nação.