Querem colocar outro Temer, de mesmo modelo econômico, no governo”, diz Laura Carvalho ao DCM (por Pedro Zambarda)

A demissão de Maria Silvia Bastos no dia 26 de maio e o início da CPI do BNDES em plena delação premiada da JBS movimentaram o noticiário econômico junto com o político.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, criado em 1952, é apontado como uma das empresas públicas federais que abasteceu o caixa dois de partidos nos escândalos da Lava Jato.

Por trás das acusações pesadas ao BNDES, que financia do agronegócio, passando pela indústria e até mercados tecnológicos de pequenas empresas como os games – o banco é o maior financiador deste segmento –, existe uma campanha de ataque aos investimentos públicos.

Essa é a tese da economista Laura Carvalho, professora do departamento de Economia da FEA-USP e colunista do jornal Folha de S.Paulo.

Com doutorado na New School for Social Research (NYC), crítica do governo Temer e das políticas recessivas de seu ministro da Fazenda Henrique Meirelles, Laura afirma que o presidente “rouba mas reforma” e isenta os mais ricos do “pacote de maldades” em seus textos.

O DCM entrevistou Laura Carvalho sobre o caos políticos, o real papel do BNDES e a campanha de Michel Temer para se manter no poder, além das eleições indiretas contra as diretas.

DCM: Qual é a sua visão sobre as últimas declarações do presidente Temer de que a “recessão acabou”?

Laura Carvalho: Não há nenhum elemento econômico que aponte para o fim da recessão. Isso pode vir a acontecer e não seria surpreendente depois de dois anos de queda vir uma recuperação.

Agora o que surpreendeu é que se esperava algum retorno baixo de crescimento no investimento e no consumo interno de famílias e estes dois índices caíram mais uma vez depois de uma queda de dois anos apontada pelo IBGE.

Isso realmente mostra que a economia está pior do que as previsões dos mais pessimistas. O pequeno crescimento do PIB vem da supersafra de soja e de milho, que já sabemos que não se reproduziu nos últimos meses diferente do que foi aferido na pesquisa.

Teve em curso também a mudança do indicador no IBGE no setor de serviços. A gente não sabe de quanto mas teve uma revisão e uma reponderação dos dados do Banco Central.

Em suma, a situação ainda é realmente preocupante especialmente envolvendo os dados do emprego porque não bastaria sair da recessão para resolver o problema do mercado de trabalho. Precisaria de uma retomada mais substancial mais rápida.

É coisa que ainda não está no horizonte, porque os dados não estão apontando as consequências do recente ambiente político.

DCM: Você acha que delações da JBS podem afetar a pequena expansão do agronegócio ou os danos são mais políticos do que econômicos?

LC: Não. Eu acho que não vão afetar a economia. O caos financeiro não tem uma relação direta com o que está acontecendo na economia real. As ações da JBS já voltaram a subir, mas a incerteza e a volatilidade do câmbio, com o sobe e desce do dólar, isso sim pode afetar os nossos investimentos.

DCM: Você diz que não há incoerência entre crescimento e distribuição de renda. No entanto, as recentes denúncias colocam em cheque os “campeões nacionais” dos governos Lula e Dilma?

LC: Diria que sim, mas eu não diria que é totalmente verdadeira de que houve uma política totalmente orientada para campeões nacionais. Quando você vai olhar os dados, a coisa não é bem assim.

O BNDES faz um número muito grande de operações para pequenas empresas, para inovação, para desenvolvimento sustentável, entre outras iniciativas.

No entanto eu não acho que o papel do banco é consolidar setores que já estão fortes. Um banco de desenvolvimento é particularmente importante para quem precisa crescer, sobretudo considerando atividades que representam muito risco e custo muito alto. Um exemplo são as próprias atividades inovadoras, energia eólica e energia solar são importantes para estes agentes.

DCM: Você acha que essa elite que não lidou bem com a recessão econômica é quem está jogando contra um novo programa econômico vindo de uma eleição direta?

LC: Sim. Eu acredito que há uma campanha que se aproveita de denúncias de corrupção, que tem que ser investigadas para deixar de influir em várias esferas como o financiamento das eleições, para atacar o próprio Estado.

Há uma campanha para atacar a própria existência do BNDES e todos os mecanismos de crescimento inclusivo e sustentável.

DCM: São esses grupos que sustentam o governo e as eleições indiretas, certo?

LC: Sim. De modo geral são grupos que se aliaram para colocar Michel Temer na presidência. E eles agora oscilam entre mantê-lo no cargo ou colocar outro Temer, de mesmo modelo econômico, no governo.