“Coisa de preto” é história, arte, ciência, política, escreve Orlando Silva

Preconceito não reconhece a contribuição dos negros

TV Globo agiu corretamente ao afastar William Waack

Liberdade de expressão não comporta a injúria racial

O “sincericídio” que custou a posição de âncora do Jornal da Globo ao jornalista William Waack foi estarrecedor e condenável. A emissora agiu corretamente ao afastá-lo. E pode fazer desse triste episódio um marco para outras mudanças efetivas, demonstrando que não se tratou apenas de medida para preservar a própria imagem.

O feito em si é revelador de um preconceito racial grotesco, alimentado muitas vezes na surdina em amplas camadas da população. O “coisa de preto” que Waack disse mais de uma vez ao interlocutor não é uma piada de mau gosto, é injúria racial e é crime. Os exemplos infestam o cotidiano brasileiro e têm se propagado nos estádios de futebol, nas redes sociais, na vida real.

É mais chocante por ter vindo de um profissional que recebeu da maior emissora de televisão do país a legitimidade para entrar nos lares e apresentar-lhes informação. De alguém com tal grau de instrução e responsabilidade, o racismo estarrece ainda mais.

Os mais de trezentos anos de escravidão negra no Brasil nos legaram chagas sociais dolorosas e de difícil cicatrização. Submerso no país miscigenado, na nação “mulata”, segue vivo e latente o racismo que nos quer relegar à senzala das oportunidades nos estudos e no mercado de trabalho, que nos pretende segregar nas favelas e quebradas das grandes cidades. O preconceito que não reconhece verdadeiramente a imensa contribuição cultural e econômica dos negros na formação da nacionalidade.

Mas ele não é apenas latente, o racismo se impõe de maneira violenta – fisicamente violenta – no dia a dia do jovem da periferia, abordado pela polícia por ser negro e pobre; na intolerância religiosa que atenta contra templos e praticantes de religiões de matrizes africanas. Para dar um dado aterrador: o Anuário Brasileiro de Segurança Pública registra 76,2% dos homicídios cometidos pelas forças policiais vitimam negros. A definição disso, em uma palavra, é genocídio.

Sobre o caso de William Waack, a pergunta que se impõe é se a liberdade de expressão comporta a injúria racial –e é evidente que não comporta. Sei que dirão que o profissional desconhecia que era gravado naquele momento, mas isso não invalida o ato criminoso cometido por ele.

O fato ganha mais relevância por sua repercussão na sociedade, em se tratando da maior rede de comunicação do país. A leniência, na prática, incentivaria esse tipo de postura. Portanto, ao meu ver, a Globo não apenas deveria afastá-lo, como deveria dar aos negros espaços e relevância em sua programação condizentes e proporcionais ao que somos na sociedade. Porque romper com o racismo também é superar a restrição de protagonistas negros ou a participação desses a papéis subalternos, quando seria uma função da comunicação retratar nosso povo como ele é de fato e combater os preconceitos de todas as ordens.

“Coisa de preto” são todas as coisas. São as coisas feitas por Machado de Assis, Luis Gama, Engenheiro Rebouças, Abdias do Nascimento, Pelé, Benedita da Silva…”Coisa de Preto” é história, arte, ciência, política.

Fonte