Para entender a Venezuela (por Marcelo Zero)

Antes do governo de Chávez, em 1998, o país com a maior reserva de óleo do mundo tinha 70% de sua população abaixo da linha da pobreza, 40% na pobreza extrema e 21% da população estavam subnutridos. Essa era a Venezuela dos Capriles, dos López e da “oposição democrática”.

A desigualdade, medida pelo índice de Gini, foi reduzida em 54%. A pobreza despencou de 70,8%, em 1996, para 21%, em 2010, e a extrema pobreza caiu de 40%, em 1996, para 7,3%, em 2010.

Esse é o tema tratado com profundidade no artigo de Marcelo Zero, publicado no Blog da revista Carta Capital.

Continue lendo

Capistrano de Abreu (por Aldo Rebelo)

Continue lendo

O distritão, a morte da política e o triunfo do fisiologismo (por Eduardo S. Borges)

Venho pesquisando durante muito tempo sobre os sistemas eleitorais no mundo, visando estabelecer alguns parâmetros para um sistema que se adeque melhor ao Brasil. O tema reforma política já vem se arrastando por longo período na Câmara dos Deputados e, por tratar-se de tema que diz respeito diretamente ao futuro dos políticos brasileiros, não tem sido tratado com a seriedade que deveria ser. A tradição de nosso parlamento é o da manutenção de privilégios e da minimização de perdas. Fisiológico desde o seu nascimento, como se diziam no tempo do imperador: nada é mais parecido com um conservador no poder do que um liberal no poder. Avançamos muito pouco diante dessa assertiva do século XIX.

Continue lendo

Democracia e Reforma Política (por Walter Sorrentino)

Nos dias 7 e 8 de agosto, participei de importante colóquio reunindo trinta figuras políticas, sociais, acadêmicas e intelectuais, a convite de Tarso Genro, ex-ministro da Educação e ex-governador do Rio Grande do Sul, e da Fundação Friedrich Ebert, da social-democracia alemã, onde estiveram presentes, além do coordenador, Aldo Fornazieri, Gleisi Hoffmann, Manoel Dias, Fernando Haddad, Nádia Campeão, Guilherme Boulos, Gilberto Carvalho, José Genoíno, Vicente Treva, José Machado, Silvio Caccia Brava, entre outros tantos, além de ex-ministra da Justiça da República Federal da Alemanha, Herta Däubler-Gmelin, convidada daquela Fundação.

Continue lendo