O papel do Estado no desenvolvimento (por Walter Sorrentino)

Com grande satisfação participei do debate promovido pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, estado que considero altamente politizado, sobre o Papel do Estado no Desenvolvimento. Foi dia 9 de agosto e estive lado a lado com os amigos Márcio Pochmann, presidente da Fundação Maurício Grabois, e Roberto Requião, senador da República pelo Paraná. Debate denso, transmitido em rede, que teve a participação de mais de 300 pessoas. Parabenizo e agradeço o convite formulado pelo deputado estadual Edegar Preto, do PT, presidente daquela Instituição.

Continue lendo

A questão nacional, o sentido classista da luta e a unicidade do povo brasileiro (por Walter Sorrentino)

O FÓRUM DOS MOVIMENTOS SOCIAIS do PCdoB se reuniu em 11 de agosto passado para examinar estratégias das lutas sociais face ao descalabro brasileiro neste momento. Na ocasião promovi o debate em torno de alguns temas que me parecem nodais.

Continue lendo

Democracia e Reforma Política (por Walter Sorrentino)

Nos dias 7 e 8 de agosto, participei de importante colóquio reunindo trinta figuras políticas, sociais, acadêmicas e intelectuais, a convite de Tarso Genro, ex-ministro da Educação e ex-governador do Rio Grande do Sul, e da Fundação Friedrich Ebert, da social-democracia alemã, onde estiveram presentes, além do coordenador, Aldo Fornazieri, Gleisi Hoffmann, Manoel Dias, Fernando Haddad, Nádia Campeão, Guilherme Boulos, Gilberto Carvalho, José Genoíno, Vicente Treva, José Machado, Silvio Caccia Brava, entre outros tantos, além de ex-ministra da Justiça da República Federal da Alemanha, Herta Däubler-Gmelin, convidada daquela Fundação.

Continue lendo

O momento político, caminhos a percorrer

O presidente Temer foi posto em xeque e, em poucos movimentos mais, sabe que virá o xeque mate. Temer ainda se segura, tem ciência de sua fragilidade, procura ainda chantagear com as reformas (e a “caneta” para garantir apoios) para que o consórcio do impeachment o mantenha no cargo, mas teme por sua liberdade, que vai tentar negociar.

A Globo, com a Lava Jato minando o terreno da política, precipita essa solução. Age de modo exclusivista visando impor seu caminho – que é principalmente o de assegurar as reformas, mas também promover alternativas a 2018, que parecem ser decididamente o de nomes no campo da anti-política.
Continue lendo