Pré-sal, a ameaça e o leilão

por Haroldo Lima

 

Foi o que declarou a figura que vem ocupando a Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, que secundou outro pronunciamento identicamente grave, do Presidente da Câmara Rodrigo Maia que, na véspera “anunciou que vai discutir o fim do regime de partilha da produção no setor de petróleo” ( O Globo 26/10/2017).

O argumento de ambos era absolutamente despropositado. Segundo Maia, “se fosse na concessão, o Brasil iria arrecadar aproximadamente R$ 40 bilhões” no leilão do dia 27, e não R$7 bilhões como previsto. Não disse como isto seria possível, nem poderia dizer.  Continue lendo

Incêndios em Portugal, por Alexandre Weffort

O drama dos incêndios em Portugal apresentam muitas facetas que mergulham, em décadas, em causas que nos remetem a momentos vários da história recente do país. Das consequências imediatas, verificou-se a substituição da ministra titular da administração interna e a sujeição do governo do PS a uma moção de desconfiança no parlamento português. Revelam, ainda, uma faceta ideológica que importa assinalar como exemplo para o Brasil.

 Os problemas de planificação da floresta, do tipo de arborização, dos caminhos e dos espaços defensivos (afastando a floresta dos espaços industriais e urbanos), enfim, de uma planificação lógica do território, cruzam-se com os fatores humanos, como o afastamento (forçado ou lentamente induzido) das populações para as grandes cidades por via de emigração, afastamento que retirou do ecossistema a participação das comunidades na preservação das condições de existência da mata. Continue lendo

Modelo de leilões do pré-sal prejudica arrecadação, diz estudo da Câmara

 

Estudo elaborado pela consultoria da Câmara dos Deputados aponta que as condições econômicas dos dois leilões do pré-sal que serão realizados na sexta-feira (27) são desfavoráveis ao governo federal, do ponto de vista da arrecadação.

No estudo, os consultores Paulo César Ribeiro Lima e Pedro Garrido da Costa Lima afirmam que “são muito baixos” os bônus de assinatura e os percentuais mínimos de petróleo que devem ser entregues ao governo pelos vencedores das licitações. Continue lendo

O golpe chegou à Embrapa, por Ana guerra

A empresa foi surpreendida com a criação da Embrapa Tec, que a coloca diante de relações imprevisíveis com grandes corporações internacionais do setor agropecuário e florestal, pondo em risco um banco genético avaliado em US$ 1 bilhão

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), um dos maiores patrimônios públicos do Brasil e reconhecida internacionalmente por sua excelência em ciência e tecnologia, está sob riscos após o golpe contra a democracia ocorrido em 2016. Continue lendo

O caso do feijão transgênico 100% nacional, por Maria Thereza Macedo Pedroso

O Brasil e os Estados Unidos posicionam-se, atualmente, como duas das mais importantes potências mundiais no tocante aos seus respectivos setores econômicos voltados à agropecuária. São também dois países que igualmente ostentam fortes instituições dedicadas à pesquisa agrícola. Em um subcampo específico, aqui intitulado “produtos biotecnológicos poupadores de agroquímicos”, são também países que vêm experimentando desenvolvimento científico expressivo. Ambos desenvolveram produtos que são resistentes a vírus transmitidos por insetos-praga e que são combatidos por muitas doses de inseticidas. Continue lendo