O aprofundamento da crise e as tarefas do campo democrático (por Jean Keiji Uema)

Retirado do portal Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar

O propósito deve ser o de unir o campo democrático e progressista para o enfrentamento atual e os momentos graves que se avizinham, criando as condições para disputar o apoio social e político, fazendo o contraponto necessário ao conservadorismo hoje vigente, quiçá suficiente para vencê-lo, e oferecendo uma perspectiva de futuro para a maioria do povo brasileiro.

Continue lendo

É preciso frieza para entender e estar no jogo – Parte II (por Ricardo Cappelli)

Por que o jornalista Lauro Jardim teve o “privilégio” de dar “o furo do século”? Por que a Globo resolveu exigir a saída de Temer e colocar a família de Aécio no presídio no JN? Teria a família Marinho dado uma súbita guinada à esquerda? Seria Lauro Jardim o mais competente jornalista de todo hemisfério sul? Por que Meireles anunciou ontem ao mercado que, seja qual for o presidente, ele e sua equipe permanecerão? Quem lhe deu esta segurança? Por que foram feitas sonoras com alguns Ministros do STF defendendo a manutenção das atuais regras constitucionais (indiretas)?

Continue lendo

É preciso frieza para entender e estar no jogo – Parte I (por Ricardo Cappelli)

FOTO: DIDA SAMPAIO / ESTADÃO

Parte I

A recusa de Temer à renúncia foi de certa forma positiva. É preciso frieza e equilíbrio para ler o jogo em curso.

O movimento de ontem foi claro. O mercado pressionou fortemente por uma saída rápida. Apostou tudo nas reformas. O impacto das revelações e a reversão das expectativas foi fulminante. A Bolsa despencou. As empresas brasileiras perderam nada menos que 225 bilhões de reais. Suas ações despencaram. Um desastre.

Continue lendo

Xadrez do fim do governo Temer e da volta das diretas (por Luis Nassif)

A delação de Joesley Batista, da JBS – divulgada pelo Globo – é a maior bomba política da história.

Joesley entregou gravações com Michel Temer e Aécio Neves, que revelam por completo o que foi a aventura do impeachment e dos vazamentos da Lava Jato na véspera das eleições.

Continue lendo

Imagens para o fim de tudo isso (por Mário Sérgio Conti)

16_11_01_sorrentino_becket

“Imagens para o fim de tudo isso
Imagine se isso
um dia isso
um belo dia
imagine
se um dia
um belo dia isso
cessasse
imagine”

O poeminha de Samuel Beckett é imperativo: imagine o fim de tudo isso. Mas como não se diz o que é “isso”, nem porque deve cessar, a imaginação emudece. Decorre daí que Beckett seja tido como o cantor do sem sentido. Da existência absurda. Da morte e do nada. Continue lendo