Temer libera R$ 13 bi para salvar a pele e corta verba de universidades e pesquisas científicas (por Eduardo Reina)

De um lado, o presidente da República, Michel Temer, liberou mais de R$ 13,4 bilhões em emendas parlamentares e outros benefícios para se livrar da denúncia de corrupção.

Do outro, o mesmo governante cortou drasticamente investimentos nas bolsas de estudo para universidades e estudantes em geral.

Continue lendo

Aldo Rebelo e o “manifesto” (por Ricardo Cappelli)

É de se louvar o esforço feito por Aldo Rebelo de tentar construir um manifesto/movimento que possa orientar/reorganizar as forças progressistas, populares e democráticas brasileiras. Localizar o rico e denso documento elaborado por ele numa tentativa de compor uma suposta chapa com Rodrigo Maia numa suposta eleição indireta, e/ou a uma suposta carta de despedida de seu partido, o PCdoB, é sinal de má vontade, pequenez e incapacidade de enxergar o tamanho dos desafios postos.

Continue lendo

Há 100 anos, greve geral parou São Paulo (por Ricardo Westin)

Há cem anos, São Paulo vivia dias de completa anormalidade. Em certas horas, parecia uma cidade fantasma: ruas desertas, comércio de portas abaixadas, indústrias com o maquinário desligado, bondes parados, escolas sem aula. Em outras horas, tornava-se palco de espetáculos de violência.

Continue lendo

Crise de governo e pacto conservador (por Walter Sorrentino)

Imprevisibilidade segue como o sobrenome da crise política e institucional em busca de saídas. Seu nome, neste momento, atende por crise aguda de governo. O governo Temer já vive fora das leis da gravidade. Diminuem seguidamente as probabilidades de que permaneça: ainda se esperam outras denúncias do Ministério Público, delações como a de Lúcio Funaro e Eduardo Cunha, quem sabe Loures. Um xeque-mate será possível em poucos lances assim que a pactuação pelo alto, em curso acelerado, decidir como prosseguir sem passar mais por Temer.

Continue lendo