Paradoxos da democracia: Popper e a crítica liberal ao liberalismo ingênuo (por Alisson Magalhães Soares)

A passeata de extrema-direita em Charlottesville, no Estado americano da Virgínia na última semana, em que palavras de ordem e bandeiras nazistas foram empunhadas, suscita inevitavelmente velhas questões: a democracia deve tolerar os intolerantes? Tais manifestações devem ser entendidas como ruins, porém toleráveis, pois seriam um custo de se viver em uma democracia? Ou deve haver limite à tais tipos de expressão?

Continue lendo

Filosofia Constitucional: diálogos com a democracia contemporânea (por Marcos Antônio da Silva)

A abordagem da Filosofia Constitucional ganhou destaque, tanto nas questões políticas quanto nas jurídicas, nos últimos duzentos e cinquenta anos, principalmente por conta do papel desempenhado pelos ideais burgueses e Iluministas levados a efeito no advento da Revolução Gloriosa Inglesa, no século XVII, da luta pela Independência dos Estados Unidos e da Revolução Francesa, ambas no século XVIII.

Continue lendo

Democracia e Reforma Política (por Walter Sorrentino)

Nos dias 7 e 8 de agosto, participei de importante colóquio reunindo trinta figuras políticas, sociais, acadêmicas e intelectuais, a convite de Tarso Genro, ex-ministro da Educação e ex-governador do Rio Grande do Sul, e da Fundação Friedrich Ebert, da social-democracia alemã, onde estiveram presentes, além do coordenador, Aldo Fornazieri, Gleisi Hoffmann, Manoel Dias, Fernando Haddad, Nádia Campeão, Guilherme Boulos, Gilberto Carvalho, José Genoíno, Vicente Treva, José Machado, Silvio Caccia Brava, entre outros tantos, além de ex-ministra da Justiça da República Federal da Alemanha, Herta Däubler-Gmelin, convidada daquela Fundação.

Continue lendo

Quantos Allendes devem morrer para o povo latino perder a vergonha de se defender? (por Almir Felitte)

Em 1973, o clima de agitação nas ruas chilenas demonstrava que algo estava para acontecer. Enormes manifestações de apoio ao governo popular de Allende eram contraste às grandes marchas organizadas por seus opositores de direita. O cenário, que culminaria em um golpe militar, alçando o ditador Pinochet ao poder, é magistralmente retratado no premiado documentário “A Batalha do Chile”, do então jovem Patricio Guzmán. E, assistindo às cenas, é impossível não fazer uma ligação com os fatos que ocorrem na Venezuela de hoje.

Continue lendo