Revolução chinesa, antimperialismo e a luta pelo socialismo hoje (do Grabois)

Retirado do Portal Fundação Maurício Grabois

Esta entrevista, concedida pelo filósofo italiano Domenico Losurdo a João Quartim de Moraes, foi suscitada por uma resenha crítica, de autoria de Leandro Konder. Publicada no jornal carioca O Globo (01/01/2005), sob o título “Novas idéias para repensar velhas concepções”, a resenha trata de dois livros de Losurdo “recém” traduzidos para o português.

Continue lendo

Por que tantos americanos temem muçulmanos? Décadas de negação sobre o papel dos EUA no mundo (por Jon Schwarz)

A ORDEM EXECUTIVA de Trump que proíbe a entrada de muçulmanos no país tem recebido muita atenção da oposição, de protestos a ordens judiciais. Mas as pesquisas mostram com clareza que a opinião pública é bem mais heterogênea.

Continue lendo

As guerras do século XXI: tanques e ciberataques no mesmo campo de batalha (por Jesús Rodríguez)


As guerras do século XXI são híbridas e também convencionais, de alta e baixa intensidade, com divisões acorazadas e vírus informáticos. Vivemos o momento de maior incerteza da história recente Continue lendo

Donald Trump, o “exit” dos EUA

16_11_09_sorrentino_trumpexit

 

Recentemente, a propósito da situação brasileira, me vali de citação de J. M. Thompson na obra Napoleón Bonaparte, abrindo o capítulo da campanha na Espanha do genial estrategista, por onde começaria a derrocada consumada em Waterloo:

Suponha um amontoado de fatos, alguns promovendo a sobrevivência, outros a destruição; suponha ainda que eles se sobrepõem no tempo, de modo que o espectador no litoral da história não consegue saber ao certo se a maré ainda está virando: mesmo assim, se ele for suficientemente observador, notará uma onda que se eleva sobre todas as outras, e uma que assinala o primeiro malogro em alcançar aquele nível. Continue lendo

Virus imperialista ameaça a humanidade

maioria-pobre-x-minoria-rica

Zillah Branco*

Está à vista uma ação combinada para pressionar mais fortemente os vários países que foram contaminados pela “doença política” do neo-liberalismo. Esta doença minou os Estados que defendem os interesses exclusivos do mercado capitalista, mais preocupados em aumentar os depósitos financeiros nos bancos de que investir na produção nacional e nos serviços sociais para atender as populações com bons serviços de saúde, ensino, previdência, transportes, habitação e emprego. Continue lendo