Em entrevista, embaixador Samuel Pinheiro Guimarães pontua consequências geopolíticas da Lava Jato (por Sérgio Lírio)

Guimarães comenta a seguir a passagem do tucano José Serra pelo ministério das Relações Exteriores, a perda de relevância do País na geopolítica e a ascensão de políticos como Donald Trump e Marine Le Pen. “Vivemos, no momento atual, a desconstrução do projeto que se inicia em 1930 de construção de uma economia moderna capitalista industrial, soberana, e menos desigual. Procuram as classes hegemônicas tradicionais finalizar a tarefa que iniciaram em 1990, e que se interrompeu em 2003, com a vitória do Presidente Lula nas eleições.”

Continue lendo

FHC e a maxidesvalorização de 1999 (por Luis Nassif)

Comprei, mas não li ainda o terceiro volume das memórias de Fernando Henrique Cardoso na presidência. Fala da maxidesvalorização de janeiro de 1999.

Acompanhei de perto esse episódio, como colunista da Folha e comentarista da Bandeirantes.

Continue lendo

Relações exteriores mostram instabilidade das políticas de Temer (por Marcio Pochmann)

Governo procurou alinhar-se passiva e subordinadamente às velhas forças externas da onda de globalização dos anos 1990, mas o redemoinho antiglobalizante coloca a estratégia em xeque Continue lendo

Petrobras é vítima dos efeitos nefastos do golpe

petrobras

O Projeto de Lei 4567/16, apresentado no Senado por José Serra (PSDB-SP), traz em sua essência o escopo para a entrega total da Petrobras às petrolíferas internacionais. Ao retirar da Petrobras a condição de operadora única do petróleo do pré-sal, se inicia um processo de fragmentação da empresa com o intuito único de privatizá-la. Hoje, pela Lei 12.351/10, a empresa deve ter participação mínima de 30% nos consórcios que atuam no pré-sal e ser responsável por todas as atividades de exploração. Mas os tucanos e o governo ilegítimo de Temer querem entregar de mão beijada o patrimônio de todos os brasileiros às grandes multinacionais. Vamos aos dados.

Continue lendo

José Serra: o chanceler do oportunismo. Por Eric Nepomuceno

serra

Dos integrantes do gabinete interino do interino presidente Michel Temer, José Serra é o de mais longa trajetória política e o que mais cargos importantes já ocupou. Foi deputado nacional, ministro do Planejamento e da Saúde, governador de São Paulo – o Estado mais rico do Brasil – e prefeito da cidade de São Paulo. Disputou a presidência em duas ocasiões e foi amplamente derrotado. Primeiro, por Lula da Silva, em 2003. Depois, em Dilma Rousseff, em 2010. Em 2014, foi eleito senador, cargo que ocupava quando nomeado chanceler por Temer. Continue lendo