Abbas diz a Trump em encontro na Casa Branca que ‘é hora’ de pôr fim à ocupação de Israel na Palestina (do OperaMundi)

Presidente da Autoridade Nacional Palestina voltou a defender solução de dois Estados, que Trump diz ser indiferente a ele; este é primeiro encontro dos dois desde posse do norte-americano.

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, disse nesta quarta-feira (03/05) ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que “é hora” de que Israel ponha fim a sua “ocupação” de territórios palestinos. Os dois se encontraram na Casa Branca.

Continue lendo

A luta e a arte de mulheres palestinas (por Júlia Dolce e Victor Labaki)

Conheça os projetos culturais e sociais coordenados por palestinas na Cisjordânia ocupada

No Ocidente, o estereótipo de mulheres árabes, principalmente as muçulmanas, quase sempre está atrelado a submissão e passividade. A noção de superioridade das nações ocidentais se fundamenta muitas vezes em uma suposta ideia de que vivemos em uma sociedade mais avançada em relação aos direitos e à igualdade social. Continue lendo

Partidos Comunistas expressam solidariedade à luta do povo palestino

No Encontro Internacional de Partidos Comunistas e Operários realizado em Istambul, Turquia, de 30 de outubro a 1º de novembro, foi firmada pela maioria esmagadora dos presentes uma declaração em solidariedade à luta do povo palestino contra a ocupação israelense e pela paz. Continue lendo

Infâmia israelense

Criminoso de mais uma guerra

O embaixador israelense no Brasil diz que a declaração do governo brasileiro sobre o massacre perpetrado em Gaza pelas tropas sionistas fará do nosso país um ator irrelevante no cenário internacional.

Irrelevante e grosseira tal manifestação, bem como seu autor. Israel comete crimes hediondos, crimes de guerra à margem de qualquer ordem mundial. Quer extirpar os palestinos daquela região. Merece o opróbrio, o mesmo destinado ao hitlerismo nas fases finais de seu regime – já que, anteriormente, prevaleceu a omissão do chamado “mundo livre” e do próprio Vaticano.

Numa coisa a História não mudou, com certeza: justiça e liberdade andam juntas. Na guerra promovida por Israel, não há como escapar do julgamento dela, a História. Não há chance de ser inocentada por ela e pelos que virão. Pobres israelenses, que em um tempo mereceram apoio das forças democráticas e progressistas para instituírem sua nação autônoma, e instituíram um Estado sionista, cão de fila dos EUA, só sobreviventes, aliás, graças à política criminosa de Obama-John Kerry e tutti quanti os precederam nestas várias décadas de guerras agressivas.

A História dirá quem é irrelevante, mais uma vez. Um Estado e um povo que não sabem o valor da Paz, assentada em justiça e igualdade de direitos, estão condenados a se isolar.

A situação da mulher palestina

A situação da mulher palestina frente à ocupação é tema de debate na Matilha Cultural

O ICArabe (Instituto da Cultura Árabe), por intermédio de seu Núcleo de Estudos sobre a Mulher Árabe, em parceria com o Mopat (Movimento Palestina para Tod@s) e  a OBORÉ, realizam debate na Matilha Cultural no próximo dia 10 de fevereiro, a partir das 19h30, para dar visibilidade à violência que a mulher palestina vivencia por parte da ocupação sionista. A iniciativa contará com exibição de breve vídeo seguido de contextualização histórica e debate.

Nas situações extremas, historicamente quem mais sofre são as mulheres. Frente à ocupação israelense dos territórios palestinos, além da violência cotidiana a que são submetidas em checkpoints, barreiras e por parte dos colonos, têm sido presas e mortas arbitrariamente, impedidas de vivenciar com dignidade a maternidade, estudar ou trabalhar. Ao final de 2004, segundo organização local, havia nas detenções israelenses mais de 120, em condições precárias, enfrentando humilhações e mesmo torturas. Denunciar e jogar luz sobre essa situação é o que pretendem os realizadores e apoiadores com essa atividade.

Quando: 10 de fevereiro de 2010 (quinta-feira)
Onde: Matilha Cultural (Rua Rego Freitas, 542, Vila Buarque)
Horário: 19h30

Realização:
ICArabe – Núcleo de Estudos sobre a Mulher Árabe
Mopat
OBORÉ

Apoio:
Matilha Cultural
Cinemulher