Governo Doria: ataque aos serviços públicos e às políticas sociais, ameaça ao futuro de São Paulo

Transcorridos pouco mais de 100 dias de governo Dória, este carimba sua marca na administração do município. Com altos investimentos em marketing busca identificar Dória como “trabalhador”, “não político” ou como prefeito dinâmico, por um lado. E, com uma pauta reacionária reprime professores e estudantes, militantes dos movimentos sociais que lutam para não ver sobre seus ombros recair a atual crise econômica.

Tendo como objetivo analisar esse começo de governo tucano na capital paulista o PCdoB promoveu, no último sábado, o seminário, “São Paulo: O desmonte anunciado.” O evento ocorreu no Sindicato dos Engenheiros e contou com a participação da militância do partido, dirigentes. Da mesma maneira, participaram da atividade amigos e especialistas nos debates acerca da cidade e da gestão pública. A primeira mesa de debates, “Ataques ao serviços públicos e retrocessos democráticos”, contou com a participação de Júlia Roland, médica e ex-Diretora de Gestão Participativa do Ministério da Saúde; Valéria Leão, Educadora da rede municipal de ensino e Maria do Rosário, ex-Secretária de Cultura de São Paulo. Já a segunda mesa, contou com a participação do vereador do PT, Antônio Donato; do professor Aldo Fornazieri e da ex-Vice-prefeita e Secretária de Educação da capital, Nádia Campeão.

Continue lendo

Convocar Constituinte agora é favorecer a ofensiva conservadora (por Walter Sorrentino)

Foto: Mídia Ninja

As forças da esquerda política e social, do campo democrático e progressista tem a grande responsabilidade de se unirem em frente ampla para a resistência à agenda neoliberal do governo Temer-tucano e, nesse caminho, reorganizarem-se e reformularem plataformas para disputar novos rumos para o país – dar novas esperanças ao povo brasileiro.

Continue lendo

Novo ciclo demanda reposicionamentos e estratégias para a construção partidária

Está em curso uma mudança de fase na vida do país: o ciclo dos governo progressistas se esgotou e outro busca nascer, cujos contornos são ainda indefinidos. É preciso ser consequente com essa constatação. O Brasil e as conquistas sociais do povo estão em derrocada acelerada. Há como uma “contrarrevolução” em curso, que avança ferozmente contra tudo que se alcançou em longas décadas de luta, desde tópicos nascidos com o ciclo da modernização brasileira a partir dos anos 1930, e que abate todo o edifício político-social erigido com base na Constituição de 1988 ameaçado de implosão com crescentes violações do Estado democrático de direito.

A maré baixa subtrai perspectivas para a maioria da nação. Sobretudo para a esquerda, o melhor é considerar que se está apenas no fim do começo – o propósito último da ofensiva em curso é garroteá-la, pela tentativa de desmoralização, por processos judiciais facciosos e pela inadimplência

Nesse quadro, são necessários reposicionamentos na orientação política, nas relações com os trabalhadores e segmentos populares, na interação maior com as forças progressistas e democráticas e até mesmo forjar reconfigurações de caráter frentista e não partidistas para poder se apresentar como alternativa eleitoral. Continue lendo

Maurício Grabois: O comandante da Guerrilha do Araguaia (por Osvaldo Bertolino)

Publicado no portal da Fundação Maurício Grabois

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) começou efetivamente a implantar a Guerrilha do Araguaia no dia 25 de dezembro de 1967, quando Maurício Grabois desembarcou no Porto da Faveira, no Sul do Pará, e foi morar em um sítio então recentemente adquirido. Com ele estavam Elza Monnerat e Líbero Giancarlo Castiglia — um jovem italiano. Maurício Grabois logo ficaria conhecido como “seu Mário”. Elza Monnerat era a “dona Maria” e Líbero Giancarlo o “Joca”.

Continue lendo